29 maio 2007

Um Momento, Uma Vida


Tu me guias com o teu conselho e depois me recebes na glória. Quem mais tenho eu no céu? Não há outro em quem eu me comprazo na terra. Ainda que a minha carne e o meu coração desfaleçam. Deus é a fortaleza do meu coração e a minha herança para sempre. Salmos 73.24-26

Momento: um instante, milésimos de segundos que podem se tornarem muito importantes. Momento, algo que tantas vezes é desprezado por uns e por outros lembrado constantemente, à hora certa que acontece alguma coisa, uma oportunidade. Vida, palavra difícil de conceituar, mas que tentando podemos definir como presente de Deus, existência, período de alegrias e decepções. Adoração a Deus: o fim principal dos seres humanos, pois fomos criados para sua glória. Como está escrito em Isaías 43.7: “A todos os que são chamados pelo o meu nome, e os que criei para a minha glória, e que formei, e fiz”. Adoração está no centro da nossa existência, é a nossa razão de ser.
Hoje é o momento de nossas vidas onde estamos reunidos com intuito de adorarmos a Deus, porque dele, e por meio dele, e para ele são todas as coisas (Rm. 11.36). Mas quantos de nós seguimos o exemplo do salmista, onde o conselho do Senhor o guiava, e ele sabia que não existia outro Deus que pudesse ajudá-lo, conduzi-lo. Cuja adoração não consistia em momentos, mas em uma vida inteira de adoração, pois ele tinha a certeza que o Senhor era a sua herança para sempre. Que possamos usar esse momento para refletirmos se realmente estamos constantemente adorando ao nosso Deus, pois como diz o poeta: “Uma vida sem reflexão não vale apena ser vivida” (Shakespeare). Alguém que adora a Deus somente um dia na semana está negligenciando essa tarefa, e não é apto para participar do Reino.
Lembro-me dos momentos de alegria do povo de Israel quando atravessaram o mar obedecendo à ordem do grande Eu Sou, o mesmo povo que antes tinha passado por momentos de escravidão e perseguição, mas que agora do outro lado do mar cantavam louvando a Deus porque Ele tinha triunfado gloriosamente: “A profetisa Miriã, irmã de Arão, tomou um tamborim, e todas as mulheres saíram atrás dela com tamborins e com danças. E Miriã lhes respondia: Cantai ao Senhor, porque gloriosamente triunfou e precipitou no mar o cavalo e o seu cavaleiro” (Ex.15.20-21). Deus tinha escolhido o povo de Israel “somente para ele” e para tornarem-se um reino de sacerdotes e nação santa. Um momento de expressão de louvor daquele povo, como tantos outros que aconteceram, que estava contido em toda uma existência de adoração. Também somos propriedade particular do nosso Deus, e é o nosso dever adorá-lo não somente por um momento, mas por toda nossa vida, onde estivermos, com quem estivermos.
Um momento de adoração é o fruto de uma vida dedicada a Deus, de um contínuo andar junto dEle. E somente aqueles que foram regenerados por Cristo Jesus e nasceram do Espírito podem cantar a nova canção. Um homem não pode simplesmente dizer que está na presença de Deus e em sua caminhada não faz quilo que é vontade dEle, se não reconhecem que é um pecador e precisa ser purificado e transformado, se em seu coração não reconhecem a necessidade de buscar a Deus a cada instante como orava o salmista: “Ao meu coração me ocorre: buscai a minha presença; buscarei, pois, Senhor, a tua presença (Salmo 27.8)”. Na adoração o homem reconhece a sua pequenez e a grandiosidade de Deus, sabe que é um pecador diante de um Deus Santo e justo.
Encontramos em nossos dias muitas pessoas que confundem adoração com emocionalismo. Uma adoração estranha, que se resume a um domingo a noite ou a momentos como este. Com pessoas que cantam que querem subir, mas não sabem para onde, que pedem ao Senhor para derramar a sua chuva, mas chuva de quê? Como também cantamos as palavras do salmista: “a quem tenho eu no céu além de ti”? Mas não compreendemos o real significado dessas palavras, pois se as compreendêssemos saberíamos que ele está falando de uma vida inteira na dependência de Deus. Não há outro em que me comprazo na terra é o mesmo que afirmar que nada mais nos satisfaz se não estivermos na presença de Deus. Mas muitos de nós quando saímos da igreja nos tornaremos pessoas diferentes, esquecemos da alegria desse momento, esquecemos que devemos estar sempre na presença do Senhor e começaremos a agir de maneira egoísta, sem o amor que Deus tanto deseja que tenhamos. Adoração é dizer nos momentos de alegria a quem tenho eu no céu além de ti para adorar e nos momentos de sofrimento e tristeza não há nada que me satisfaça além de Ti.
“Contemplar, temer, adorar sua majestade; participar de suas benções; procurar sua ajuda em todos os tempos; reconhecer e por louvores celebrar, a grandeza de suas obras – como único fim das atividades desta vida” (João Calvino). Que estejamos em todos os momentos adorando a Deus em sinceridade com nossas vidas, pois Adoração é um momento, é uma vida.

Nenhum comentário: