07 janeiro 2011

Quero Trazer A Memória O Que Me Dá Esperança


Há um lamento no ar. As cinzas correm pelo chão levadas pelo vento. As casas, antes cheias da alegria, abrigam agora somente o silêncio. Um silêncio rompido apenas pelo choro. Na verdade é o choro que tem sido rompido pela quietude angustiante. As lágrimas não param de correr nos olhos daqueles que restaram em sua terra. Procura-se um amigo, dos tantos que existiram nos tempos de glória, agora todos desapareceram. Não há um ombro para recostar a cabeça. Não há um ouvido para se ouvir o lamento. Perderam a honra e a dignidade.

Na praça troca-se o que tem de mais valor por alguns alimentos. Na triste idéia de continuar vivendo, não mais se percebe que estão apenas morrendo. Os assassinatos se espalham pelas vielas, dentro de suas casas a morte faz sua morada. Os filhos olham para suas mães e clamam por comida e bebida, estão com sede e fome, assim caem pelas ruas, morrem em seus braços. Por isso, não há mais paz, a felicidade abraçou o esquecimento e gerou a tristeza, a amargura, a solidão e o sofrimento.

Mas, esperem, há algo a ser lembrado, relembrado e revivido. Quando eles pensam nisso a esperança volta aos seus corações. Como um hino cantado por um coro celestial, há um desejo de se trazer a memória o que dá esperança. Lembrar que o amor de Deus não se acaba, mesmo diante da barbárie. Relembrar que sua bondade é estranhamente eterna. Reviver a certeza que a cada nascer do sol, a vida insistirá em existir.

(Baseado na Leitura do Livro Bíblico de Lamentações)

4 comentários:

Rose Lira disse...

Até hoje não entendo porque Jeremias ou outro profeta não escreveu um livro de glorificação...um memorial aos sonhos realizados..a esperança que deixa de ser esperança para se tornar realidade...as vezes me sinto como um "cahorrinho em frente a uma churrasqueira de frango"....eita que coisa difícil...será que sem a "televisão de cachorro" seria mais fácil ??????

robinho disse...

Cara, tu tá escrevendo muito em!
Belo mano, esses paradoxos da vida ainda me deixam doido... O significado de quem traz a memória coisas boas do passado só é maior e mais acompanhado de esperança pra quem tem no presente uma angústia muito grande, parece até que a esperança pega carona com a angústia ou se potencializa nela.
Me faz lembrar aquela frase poética: A morte é matéria prima pra ressurreição. Vixe! Muito Régis!

robinho disse...

Muito bom!

Régis Pereira disse...

Também não compreendi ainda como não foi escrito um livro que tratasse da esperança realizada, acho que pode ser uma idéia que precisamos construir isso, dá prosseguimento a história. É paradoxal mesmo, como a canção da Cigarra cantada por Mercedes Sosa. Acho que que estão nos matando muito mal, por isso estamos transformando morte em ressureição.