04 março 2013

Filmei-Te Enquanto Percorrias Aqueles Jardins




Enquanto tu percorrias aqueles jardins tentando registrar a magia dos momentos e capturar a eternidade, eu te observava atento com silêncio digno de uma criatura perante o seu criador. Não esbocei reação ou tentei dizer alguma coisa, observar-te era como um presente imerecido.

Percebi os momentos que reverentemente capturava as mais diversas imagens, mas também aqueles outros que sentada ficava a imaginar coisas que até hoje não consegui decifrar. O seu sorriso trazia a ternura da infância misturada a um olhar intensamente maduro e amoroso. Menina tão mulher e mulher tão menina.

Maior beleza se podia ver quando você deixava-se embalar pelos sons das músicas naquela noite de luar. Os seus pés já não mais tocavam o chão, os seus braços movimentavam-se como se te fizesse pairar sobre aquele lugar. Nunca vi anjos, mas certamente parecerão muito contigo.

Filmei-te enquanto percorrias aqueles jardins, não tenho como negar. Seguramente poderás garantir que as tuas fotografias durem para sempre em alguns pedaços de papéis. As minhas permanecerão eternas dentro de mim, como lembranças reais de um jardim, de uma moça e de instantes de vida capturadas para a eternidade.